quarta-feira, 9 de março de 2011

Sonhos


Sonhar:     1 - Ter imagens e sons ao dormir.
2-  Desejar muito algo.




Valendo-me da primeira definição, resolvi iniciar o blog escrevendo sobre Sonhos, fato cotidiano que me desperta uma curiosidade quase que infinita. A maioria dos posts terão mais valor particular, onde em momentos de ócio (que não estão faltando) escreverei sobre o que gosto, mas acreditando que alguém ainda possa se interessar sobre as idéias malucas que tenho.

Cada pessoa, influenciada por sua religião ou cultura, tem seu modo de interpretar o motivo pelo qual quando vai dormir se depara com esse mundo desconhecido, um mundo onde as imagens e sons parecem ter sua própria linguagem. Há os que creêm que os sonhos são mensagens de suas entidades divinas, pessoas que já se foram, ou até mesmo uma previsão do futuro. Há os que acreditam que os sonhos são informações completamente desnecessárias, algo pra somente manter o cerébro funcionando enquanto dormimos; os que creêm que são uma projeção de uma "realidade alternativa" e os que acreditam que nem sonham todas as noites. O único senso comum do assunto é: Sempre partem do inconsciente.

Ao meu modo, o sonho é algo totalmente pessoal e intrasferível, uma forma que o inconsciente de cada um tem para que possamos nos auto-avaliar, mesmo quando estamos dormindo, hora que supostamente teriamos pra "descansar da vida" e esquecer as complicações. São experiências que afetam unica e exclusivamente o modo do sonhador em questão pensar, e que podem ou não refletir nas atitudes próprias. Não é regra geral, a maioria dos nossos sonhos, por não terem aparente sentido, parecem estar ali somente para completar as lacunas que ficam entre os sonhos que realmente nos fazem refletir nossa situação atual e nossos principais desejos(segunda definiçao de "sonhar"). Freud dizia que esses sonhos sem sentido seriam a "fachada" para os sonhos importantes, chamados sonhos de "sentido latente", os quais unicamente têm um significado.

A linguaguem dos sonhos é totalmente desconhecida, acredita-se que cada um tem a sua, como se os sons e imagens pra cada pessoa fossem seu idioma e grafia do próprio inconsciente, cabendo ao sonhador traduzir tudo isso para o consciente, a fim de fazer sentido. O que ainda nos deixa pensar, seriam os "sonhos de fachada" realmente sem significado, ou sonhos de mesma importancia dos "latentes" que deixamos de entender? Dúvidas essas que só seriam respondidas se no momento do nosso nascimento, viessemos com nossa propria enciclopédia e dicionário para decifrarmos a nós mesmos.

Agora o que parece loucura, tentar escrever nosso próprio dicionário. Sabe-se que o ser humano tem inúmeros sonhos todas as noites, mas acabamos esquecendo a maioria. Um modo de driblar isso seria anotar os próprios sonhos, dormir com um "caderninho" ao lado da cama. Nos primeiros minutos que despertamos temos ainda a memória dos sonhos que tivemos à pouco, o simples fato de anotá-los seria suficiente para que, durante o dia, conseguissemos lembrá-los. Não que isso fosse suficiente para entendê-los, mas o princípio para quem quer tentar.

Aos mais ousados, a tentativa de um "sonho lúcido", onde supostamente há uma participação direita do consciente. A maioria já teve a sensação dessa experiência: saber que está sonhando, tomar controle do mesmo, e um despertar de lembranças com riquezas de detalhes. Os sonhos lúcidos são cientificamente comprovados, porém novamente insuficientes para o entendimento do sonho como um todo. Há inclusive técnicas para conseguí-los, como dormir pensando em tê-los e condicionar seu cerébro a quando ver um determinado simbolo ou imagem, estimulá-lo a trazer um pouco do seu consciente para o sonho. Muitas vezes ao fazermos isso, temos a "Paralisia do Sono", sensação aquela de estar acordado e não conseguir se mexer. Na verdade essa sensação é apenas a linha tênue do encontro do inconsciente com o consciente, onde temos duas opções: manter a calma, e fazer desse "encontro" um sonho lúcido; ou ser tomado pelo medo e despertar com aquela sensação de asfixia.

Ultimamente tenho dado atenção pra esse lado pouco conhecido de nós mesmos, mesmo parecendo insanidade, às vezes até anotando coisas ou outras. Adoro a experimentação de um sonho lúcido, de encontrar nos próprios sonhos traços particulares, que refletem realmente aos sentimentos atuais. Afinal "Mesmo quem acredita que não acredita em nada, há de admitir: a vida manda seus sinais. Basta ficar de olho aberto e ser amalucado o suficiente para entender...". [Jorge Amado]

(Inspiração musical para o post: Mi & L'au, álbum Good Morning Jokers)